O que os discursos de Steve Jobs, Barack Obama e Nelson Mandela têm em comum? Não, não é o público apaixonado e muito menos as câmeras de televisão.

Os discursos de três dos maiores oradores da história têm em comum a técnica empregada neles. Nem Jobs, nem Obama e muito menos Mandela nasceram sabendo falar em público.

Todos foram previamente treinados para isso.

Discursos de políticos ou de líderes de grandes empresas (como Steve Jobs) visam inicialmente duas coisas: comover e convencer.

No entanto, não existe uma regra que seja bem sucedida a todos os grandes oradores. Cada um deles tem suas estratégias próprias de encantamento de multidões.

A nós, que ainda estamos do lado da plateia, cabe tirar o máximo de proveito do que eles têm a ensinar.

Afinal, um dia o palco poderá ser só seu.

Enquanto este dia não chega, confira nove estratégias de falar em público desenvolvidas por oradores que fizeram história.

 

  1. Abuse do Storytelling: inicie suas apresentações contando algum fato interessante da sua vida

Steve Jobs era mestre nesta técnica. Tanto em apresentações de produtos da Apple, quanto em palestras em universidades, Jobs narrava alguma história interessante de sua vida.

 

  1. Quando estiver contando alguma coisa à sua plateia, inclua datas históricas.

Por exemplo: ao invés de falar “alguns anos atrás”, diga: “em 11 de setembro de 2015”.

 

  1. Sempre que for possível, utilize a estratégia de repetição com ênfase

Esta é uma das muitas técnicas de oratória utilizadas por Barack Obama. O ex-presidente dos Estados Unidos costuma utilizar a expressão “Eu acredito” em diferentes discursos.

A mesma estratégia era utilizada por Martin Luther King, quando o líder ativista falava “eu tenho um sonho” em seus pronunciamentos públicos.

 

  1. Pausas estratégicas são fundamentais para o público dar “aquela respirada”

As pausas estratégicas são imprescindíveis para o orador direcionar o ritmo de sua fala, possibilitando a este intercalar frases curtas e longas e manter a atenção do público.

Afinal, as pausas permitem que os espectadores assimilem melhor as mensagens do orador. Nelson Mandela, o ex-presidente da África do Sul, era expert em utilizar com inteligência suas pausas, tanto dentro de suas frases, quanto entre uma frase e outra.

 

  1. Uso de adjetivos em sequência

Nelson Mandela era especialista nesta técnica. Um exemplo de suas falas memoráveis com a utilização de adjetivos em sequência é:

“A construção de uma paz completa, justa e duradoura”.

Steve Jobs e Barack Obama também utilizavam esta técnica de oratória para dar uma floreada em seus discursos.

 

  1. Ênfase em palavras-chave, para reforçar a importância de algumas palavras, fazendo com que elas fiquem na mente da plateia

Em seus discursos, o ex-presidente Barack Obama costumava enfatizar determinados tipos de pessoas que normalmente estão presentes em quase todos os grupos sociais, tais como o pai, a criança e o idoso.

 

  1. Treine o modo como irá discursar, antes de cada apresentação

Antes de suas memoráveis apresentações de produtos, Steve Jobs costumava ensaiar, em média, durante oito horas.

 

  1. Errou no decorrer do discurso? Siga em frente, demonstrando segurança

Quando pisava no palco, Steve Jobs tinha total segurança do que iria apresentar. Por isso, quando cometia algum erro, sabia seguir em frente com segurança.

 

  1. Seu discurso tem que ser forte e convincente principalmente no início e no fim, com uma história envolvente no meio

“O cérebro humano costuma se lembrar de apenas duas coisas em relação a um evento: o ápice emocional (seja ele bom ou ruim) e o seu fim” (Daniel Kahneman, teórico).

Agora que você já teve contato com nove técnicas utilizadas por grandes oradores, pesquise a respeito de discursos que marcaram épocas.

Normalmente estes discursos são verdadeiras aulas de como influenciar multidões somente a partir das palavras certas e das técnicas corporais em cima do palco.

Justamente por ser uma habilidade mais restrita a uma parcela dos profissionais, a oratória se tornou uma valiosa vantagem competitiva dentro do ambiente profissional.

No entanto, não é fácil dominá-la logo de cara. Segundo o filósofo, escritor e palestrante Mário Sérgio Cortella, a excelência no dom da oratória pode ser alcançada depois de sucessivos erros em cima do palco.

Portanto, não desista, insista. Um dia você seu nome poderá fazer parte das listas dos maiores oradores da história.